Fraque e Olhos Verdes (Original) - Capítulo 3



Classificação: +13;
Fandom: Original;
Gênero: Romance;
Avisos: Não;
Créditos de imagem: http://vitellan.deviantart.com/art/Gentleman-194109539

Sinopse: Carole Adler estava acostumada aos bailes ingleses. Pertencente a uma longa linhagem de aristocratas, as convenções sociais estavam em seu sangue desde a mais tenra idade. O fato de não ser, em absoluto, a beldade mais requisitada do salão não a importunava.
A chegada de Maximillian Ferrars aos eventos causa uma sensação geral: rapaz alto, loiro, de olhos verdes límpidos, porém distante.
O desafio inquieta todas as moças do local, mas o coração de Carole pula em seu peito com um entusiasmo recriminador.
Conseguirá penetrar fundo naquela camada de isolamento e conquistar o cobiçado Maximilliam?

Capítulo 3 - A Casa dos Ferrars

Carole ficara voando nas nuvens durante a semana seguinte. Max era um perfeito cavalheiro, um gentleman, um homem com todas as qualidades possíveis. Seu coração palpitava e disparava no peito ao lembrar aqueles lindos e misteriosos olhos verdes.

Tentou a todo custo esconder seus interesses da mãe, mas a intuição de Pollyanna era terrível.

Uma semana depois, visitavam a casa dos Ferrars.

Os patriarcas, novamente, juntaram-se no escritório para discutir negócios. Carole ria e gostava que os pais tivessem algum assunto em comum.

Lily convidou-os para um passeio no jardim. Enquanto as mães iam à frente, Carole e Maximilliam andavam mais lentamente.

A moça Adler não conseguia controlar seu coração disparado. Ela estava de braços dados com ele! Seus olhos estavam a centímetros de distância!

Balançou discretamente a cabeça. Se pensasse nos olhos, tudo estaria perdido.

Concentrou sua atenção nas flores, nas borboletas e em como a luz projetava-se sob a copa das árvores do bosque.

– Sou uma companhia tão desagradável?

Carole virou-se num átimo, chocada.

– Claro que não, Sr. Ferrars!

– Maximilliam.

– Como?

Carole não ousava olhar em seus olhos. Uma mirada de soslaio mostrou que ele sorria.

– Pode me chamar de Maximilliam, já que nos conhecemos há tanto tempo.

– Ok... Maximilliam, de modo algum sua companhia é desagradável. - A moça decidiu ser um pouco mais ousada. - Fico distraída quando estou nervosa.

– Hum...

E ficaram em silêncio novamente.

Ao voltarem à residência, Carole foi convidada a ler poesia ou tocar piano. Sabendo de seu péssimo talento como cantora, decidiu declamar William Blake.

– Qual poema desejam?

Carole quase morreu engasgada quando Maximilliam falou:

– O Jardim do Amor.

E ela obedeceu:

"O Jardim do Amor

O Jardim do Amor fui visitar,

E vi então o que jamais notara:

Lá bem no meio estava uma Capela,

Onde eu no prado correra e brincara.

E os portões desta Capela não abriam,

E "Não farás" sobre a porta escrito estava;

E voltei-me então para o Jardim do Amor

Lá onde toda a doce flor se dava;

E os túmulos enchiam todo o campo,

E eram esteias funerárias as flores;

E Padres de preto, em seu passeio secreto,

Atando com pavores minhas alegrias & amores."

Mas teve de se controlar a todo o custo para que nenhum rubor aparecesse em sua face. Poderia entregar seus sentimentos e, como desconfiava, ser motivo de chacota.

Uma chacota ainda maior que essa! Pensou, a indignação crescendo dentro de seu ser. Maximilliam Ferrars estava brincando com seus sentimentos, mas não deveria. Poderia arruinar sua reputação!

Ficou distante o resto do dia e, ao despedir-se, permitiu que ele lhe beijasse a luva.

Share this:

COMENTÁRIOS

0 comentários:

Postar um comentário