Texto: O poder do espaço

"... mas você tem de respeitar o meu espaço!"


Não é uma frase incomum de se ouvir, certo? O espaço de cada um é como se fosse o seu próprio forte. Somente os que consideramos aliados podem passar... E quem o invade nos declara guerra!

O ponto é que "espaço" vai além disso. Pode ser um limite bem físico. Por exemplo, em uma palestra de humanização hospitalar, o apresentador disse: "utilize o que a criança nos dá. Se ela não chorou, me deu a oportunidade de me aproximar e adentrar seu espaço. Se chorou ou disse não, me deu o espaço de tentar mais uma vez em uma outra oportunidade. E se não disse 'sim' ou 'não'? Ela me deu, então, o espaço do batente do quarto para interagir e criar confiança."

Há também os limites não-físicos, mas que se assemelham ao caso acima. A todo momento pessoas tentam adentrar nossos fortes (de maneira pacífica ou não), assim como outras se distanciam do centro e até mesmo saem (novamente, de maneira pacífica ou não). Há até mesmo aquelas que ficam nos portões por tempos a fio: são pessoas em quem não confiamos totalmente, mas que também não se apresentam como inimigos potenciais. São aquelas que estudamos para melhor conhecê-las. 

O espaço é a projeção do pensamento. Se alguém profere uma opinião radicalmente diferente daquela que está enraizada no ser, os portões da fortaleza podem se fechar para sempre... E causar uma verdadeira batalha de ideias! Assim como as opiniões convergentes nos tornam capazes de transformar quem as profere em verdadeiros nobres em nossos castelos.

Assim sendo, só é possível deduzir que "Espaço" é um verbo intransitivo. 

Share this:

COMENTÁRIOS

0 comentários:

Postar um comentário