RESENHA: Adultério, de Paulo Coelho


Autor: Paulo Coelho
Editora: Sextante
Páginas: 240
Ano: 2014
ISBN: 9788543100456

Linda tem 31 anos e, aos olhos de todos, sua vida é perfeita: ela mora na Suíça, um dos países mais seguros do mundo, tem um casamento sólido e estável, um marido amoroso, filhos doces e bem-comportados e um emprego como jornalista do qual não pode se queixar.

No entanto, ela começa a questionar a rotina e a previsibilidade de seus dias. Já não consegue suportar o esforço que precisa fazer para fingir estar feliz quando na verdade o que sente pela vida é uma enorme apatia.

Tudo isso muda quando ela encontra um ex-namorado da adolescência. Jacob agora é um político bem-sucedido e, durante uma entrevista, acaba despertando algo que havia muito ela não sentia: paixão.

Agora ela fará de tudo para conquistar esse amor impossível, e terá que descer até o fundo do poço das emoções humanas para enfim encontrar sua redenção.


Adultério é o novo livro de Paulo Coelho, lançado em Abril de 2014. É o quinto livro que leio do autor e, mais uma vez, me sinto entregue a uma leitura que sei que a mensagem pode já ter sido passada por outro meio de comunicação, mas quando Paulo Coelho escreve a mesma mensagem, com suas palavras, tudo torna-se mais claro, mais visível e poético.

Linda tem 31 anos e, aparentemente, possui a vida perfeita que qualquer mulher gostaria de ter. Ela sente a necessidade de mostrar para as pessoas o quanto sua vida é maravilhosa, quando na verdade, ela esconde seus desejos, ânsias e sua infelicidade, conquistada a partir de um casamento que não possui nada de bom, somente aparências.

“Nem todo mundo precisa ser feliz o tempo todo.”

Tudo muda quando ela reencontra Jacob, um ex namorado das antigas. Linda começa a perceber, que ao seu redor as coisas mudam. Seus sentimentos pelo marido já não são mais os mesmos que tinham quando eram recém casados, por exemplo. O sexo já não é tão intenso, muitas vezes – o que acontece na realidade de muitos casais – é a perda do próprio foco, da felicidade que não encontram em seu matrimônio. E se isso não é mais possível, a única chance é procurar o mesmo fora do casamento. Foi o que Linda procurou.

“Somos felizes” talvez seja uma afirmação falsa. Todos são felizes, menos eu, que neste momento sigo para o trabalho pensando no que há de errado comigo.

Linda começa a ter uma paixão – relação, desejo, sexo casual, como quiser chamar – com Jacob. E isso passa a refletir nas ações de Linda. Ela passa a ter um comportamento mais brusco, chegar atrasada em compromissos, mesmo sem perder a classe.

“Felicidade não é um valor que possa ser medido com precisão, discutido em plebiscitos, analisado por especialistas.”

O aprendizado de Linda ao longo do livro é tão interessante, que mostra o outro lado da infidelidade, onde ambos possuem sentimentos que precisam de compreensão e aceitação. E claro, o amadurecimento da escrita de Paulo Coelho, uma narrativa divertida, onde conseguimos ver os sentimentos através das palavras da personagem. 


Paulo Coelho consegue passar uma mensagem de vida, onde conseguirmos perceber também, o crescimento da personagem. O livro termina de uma forma, que ainda queremos mais. Adultério deixou uma marca, que pode ser medida através de nossas ações. Linda procura a felicidade, e é o que devemos procurar. Independente de ter poder aquisitivo ou não, a felicidade não é medida, nem comprada.

“Muita gente diz: o tempo cura tudo. Mas não é verdade.”

Share this:

COMENTÁRIOS

0 comentários:

Postar um comentário