RESENHA: Morte e Vida de Charlie St. Cloud - Ben Sherwood



Um coração dividido entre dois mundos. Em uma pacata vila de pescadores da Nova Inglaterra, Charlie St. Cloud cuida dos gramados e monumentos de um antigo cemitério onde seu irmão mais jovem, Sam, está enterrado. Após sobreviver ao acidente de carro que tirou a vida de seu irmão, Charlie recebe um dom extraordinário: ele consegue enxergar, conversar e até mesmo brincar com o espírito de Sam. É neste mundo místico que entra Tess Carroll, uma cativante mulher treinando para navegar sozinha ao redor do mundo em um veleiro. O destino faz com que seu barco seja apanhado por uma violenta tempestade, trazendo-a assim para a vida de Charlie. Sua bela e incomum ligação os leva a uma corrida contra o tempo e a uma escolha entre a vida e a morte, entre o passado e o futuro, entre apegar-se ou deixar o passado para trás – e a descoberta que milagres podem acontecer se nós simplesmente abrirmos nossos corações.

Oi galera, tudo bom? Hoje trago para vocês uma resenha super especial, de um livro que li faz tempo, mas só agora tive "cabeça" para dar uma pausa nas minhas leituras e voltar naquele livro que é lindo, mas você não tem palavras para descrever o que sentiu, o que viveu, ou para onde a leitura te levou. Este é o caso de Morte e Vida de Charlie St. Cloud, do talentosíssimo Ben Sherwood.

Meu contato com a história começou faz algum tempo, como disse. Na verdade, vi o filme assim que saiu, e tive curiosidade de ler o livro. Vocês sabem, geralmente quando a gente lê um livro após assistir ao filme, não curtimos, odiamos porque tantas cenas foram desperdiçadas.

Mas com este livro foi diferente, adorei ainda mais a história após o contato com o livro. Sempre gostei de temas espiritualistas, principalmente quando tempos um romance por perto, e lembrem-se, existe uma linha tênue entre o romance e o espiritualismo, por isso que ambos caminham juntos nesta história.

Como o próprio título nos mostra, a história conta a vida e morte de Charlie. Um cara super legal, e bonito – para vocês meninas, que adoram esse tipo de detalhes, não é a toa que no filme ele é interpretado por Zac Efron. Ele trabalha em um cemitério onde seu irmão Sam foi enterrado.

“Uma névoa encobria o chão, abafando os sons do mundo. Charlie, Sam e Oscar estavam abraçados no escuro. Não havia ninguém por pero. Eles poderiam estar em qualquer lugar ou em lugar nenhum. Não importava. Eles estavam juntos.”

No início do livro, logo acontece um acidente fatal, onde Sam chega a falecer. O mais interessante em toda essa história, é que Charlie acabou fazendo uma promessa a Sam, que todos os dias antes do por do sol ele voltaria ao cemitério para encontrá-lo. Ele encontrou a solução para cumprir a promessa trabalhando no cemitério.

“A Floresta das Sombras era a última seção do cemitério Waterside que ainda não havia sido urbanizada. Oito hectares tenebrosos e emaranhados de carvalhos, nogueiras e olmeiros, um terreno bem valioso.”

A promessa é tão forte, que eu digo pra vocês... Arrepia só de pensar no dom que Charlie recebeu. Imagine perder um ente querido e poder conversar com ele todos os dias, não só conversar, mas brincar e enxergar essa pessoa? Eu nem sei descrever como seria a sensação de encontrar alguém à esse nível. E como o autor abordou isso, foi extraordinário.

“Logo, Tess queria que Charlie soubesse tudo a seu respeito. Queria que ele soubesse como ela havia quebrado o braço andando de bicicleta na Causeway quando tinha 11 anos. Queria que ele soubesse como Willy Grace, seu primeiro namorado, a enganara com uma proposta para observar as estrelas na ilha Broqn, quando na verdade ele tinha muitas outras coisas em mente.”

Mas é aí que se encontra o ponto chave do livro. Tess Carrol é uma jovem mulher que está treinando para navegar sozinha ao redor do mundo em um veleiro. Não só imagino, como afirmo que uma das personagens mais fortes e cativantes que eu já li. E o destino é bem sábio, não é mesmo? O barco de Tess acaba sendo apanhado por uma tempestade daquelas. E é aí onde Charlie entra. Confesso que às vezes me senti confuso com essa parte, onde Charlie podia conversar com ela, mas não tínhamos certeza de que ela estava viva ou não. Começa, então, a parte tensa do livro, onde a cada linha que passa, queremos que Charlie tome a escolha certa e deixe com que o destino cumpra sua parte na história. É um daqueles livros que podem transformar risos em lágrimas. E claro, deixo o Trailer do filme, indicadíssimo. 




Título: Morte e Vida de Charlie St. Cloud
Autor: Ben Sherwood
Editora: Novo Conceito
Páginas: 298
ISBN: 9788563219183

Share this:

COMENTÁRIOS

0 comentários:

Postar um comentário