RESENHA: Como Ser Mulher - Caitlin Moran


Como Ser Mulher
Autora: Caitlin Moran
ISBN:  9788565530095
Páginas:240
Editora: Editora Paralela
Ano: 2012 (lançamento)
Sinopse:  Nunca houve época melhor para ser mulher. Nós votamos, temos a pílula, estamos no topo das paradas musicais, somos eleitas presidentes e primeiras-ministras, e não somos acusadas de bruxaria e queimadas desde 1727. Entretanto, algumas perguntinhas incômodas persistem:
- Os homens no fundo nos odeiam?
- Como devemos chamar nossos peitos?
- Por que as calcinhas estão ficando cada vez menores?
- E por que as pessoas insistem em perguntar quando vamos ter filhos?
Em "Como ser mulher", a jornalista inglesa Caitlin Moran responde a essas e muitas outras perguntas que mulheres modernas no mundo todo estão se fazendo. A partir de um péssimo aniversário de treze anos, ela fala sobre adolescência, trabalho, machismo, relacionamentos, amor, sexo, peso, maternidade, aborto, moda, compras e modelos de comportamento, sempre com um olhar crítico e muito humor.

Enredo
Para as mulheres, há sempre os mesmos rituais: nascer, tornar-se fértil, engravidar, morrer. Ou então: entrar na puberdade, usar sutiã, depilar-se, comprar calcinhas cada vez mais minúsculas.
Como sofrem!
O intuito de Caitlin é mostrar, através de sua vasta experiência pessoal, como algumas coisas são tão injustas para as mulheres, o porquê disso e desmistificar alguns mimimis de muitas outras por aí.
Abordando assuntos leves, como o nome dos seus peitos e a experiência de beijar outra pessoa, e outros mais polêmicos, como o aborto, Caitlin faz refletir sobre tudo o que ser mulher significa hoje. Há uma receita de sucesso? Será que os valores estão se invertendo de alguma maneira?
Há trechos em que a autora narra sua história, portanto o espaço ali presente é pertinente, embora não seja o aspecto principal. Também há determinação temporal, que é coerente com os costumes de época que Caitlin retrata.
As personagens são muitas e reais, pois são pessoas que realmente passaram pela vida de Caitlin. Há, até, uma "participação especial" de Lady Gaga! O intuito disto é que a autora usa a experiência com estas pessoas para formular suas teses e opiniões sobre tal assunto.
Fator criatividade: genial! Por que não transformar algo importante como defender os direitos das mulheres em um manifesto bem-humorado? Como diria uma célebre frase: "da dor nasce o humor".
O andamento é muito tranquilo, bastante natural. Há um leve pico de tensão em assuntos mais polêmicos, já que não é elegante fazer humor com certos "problemas", mas nada que não se dissipe rapidamente. O resto fica leve por conta do humor impregnado.
Em suma, todos os assuntos abordados durante o enredo são tratados de forma especial de acordo com o que representam. Caitlin consegue transformar a dor do parto em algo muito divertido! Não é preciso concordar com ela, claro, mas é, ao menos, interessante ver algumas questões com outros olhos.

Estrutura "Artística"
A capa mostra a imagem que representou a emancipação das mulheres por muitas gerações no Brasil, mas, ao mostrar o sutiã, mostra que não são somente os assuntos mais críticos que representam ou não a "livre-expressão" feminina.
A sinopse serve bem ao seu propósito: informa o leitor de que se trata o livro e ainda consegue colocar um gancho ao final.
Por se tratar de um manifesto com humor, subentende-se que foi bastante planejado e revisado.

Estrutura Física (Materiais)
Este aspecto e a diagramação não serão avaliados, pois o exemplar recebido não era o de venda.

Análise
Enredo (x3): 4,25
 • Espaço (x2): 4 (muito bom);
 • Tempo (x2): 4 (muito bom);
 • Personagens (x2): 5 (ótimas);
 • Criatividade (x1): 5 (ótima);
• Andamento do enredo (x2): 4 (muito bom);
• Início, meio e fim (x3): 4 (muito bom);

Estrutura Artística (x1): 4
 • Capa (x1): 4 (muito boa);
 • Sinopse (x2): 4 (muito boa);
• Enredo (x3): 4 (muito bom);


Nota final: [3*(4,25) + (4)*1]/4= 4,19


Gostei da obra?
Com certeza! Concordo com a autora quando ela diz que toda mulher deveria ser feminista. Infelizmente, a palavra foi colocada como inverso do machismo, mas são coisas completamente diferentes. Ser feminista é defender os seus direitos, porém sem ferir o dos homens (como é a ideia que o "machismo" traz). Estava bastante zangada, pois não achava nenhum livro que me fizesse vibrar. Li Como Ser Mulher e dei tantas risadas que isto me fez muito bem. Não concordo com tudo o que a autora disse, mas gostei de ler uma opinião diferente da minha.


A Autora
Caitlin Moran é crítica de TV e colunista no jornal The Times, onde ela escreve três colunas semanais: uma para o Saturday Magazine, a coluna de análise de TV e a satírica coluna de sexta "Celebrity Watch".


Agradeço à Editora Paralela pelo exemplar.

ATENÇÃO: Este tipo de resenha é um teste. As próximas poderão ser tanto neste formato quanto no anterior. Qualquer dúvida, mande um e-mail.
Declaro que as imagens usadas acima não são de minha autoria, respeitando os direitos autorais dos verdadeiros criadores.



Sobre a Autora:
ana c. nonatoAna Carolina Nonato cursa Ciência da Computação na Universidade de São Paulo (USP), mais especificamente no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) em São Carlos. Leitora assídua desde os 3 anos de idade, os livros são seus maiores amores na vida juntamente com o Cinema (antigo) e o bom e velho rock 'n' roll.


Gostou? Receba as publicações por e-mail!
Digite seu e-mail:


Delivered by FeedBurner

Share this:

COMENTÁRIOS

4 comentários:

  1. Esse livro me parece ser bem divertido mesmo. Achei a capa bem legal, tem sua pitada de humor. Os temas abordados são bem legais. Se tiver oportunidade, lerei sim.


    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  2. Parece ser um livro bem interessante, gostei da resenha.
    Realmente as mulheres deveriam lutar mais por seus direitos, se valorizarem. Vejo muita mulher sem amor próprio por aí e sofrendo horrores por causa disso.

    ResponderExcluir
  3. Oi Linda *-*
    Achei a postagem muito interessante, tanto a estrutura como a forma que falou do livro, juro como já havia passado por esse livro algumas vezes no skoob, mas nunca me interessei para ler a sinopse e agora vejo que o livro tem uma temática bem interessante que acaba convencendo uma mulher a ler. Também acho que mulher deveria ser mais feminina porque tem muita mulher ainda por aí que vive como se ainda fosse o século 19.


    Beijos da Lua =*
    www.tyciahadiresenhas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Ai flor isso que é uma Resenha! Você é a melhor *___*

    ResponderExcluir