RESENHA: A Roda do Vento - Nélida Piñon

A Roda do Vento
Autora: Nélida Piñon
ISBN:  978-85-01-09217-5
Páginas: 96
Editora: Galera Record
Ano: 2012 (lançamento)
Sinopse:  Tia Gênia é uma contadora de histórias que vive se abstraindo da realidade e da mesmice da cidadezinha de Catavento, levando consigo uma plateia curiosa: o casal de sobrinhos Beijinho e Tarzan. Mas quando Tia Gênia viaja para Europa, um mistério surge para os dois solucionar: onde se hospeda o vento nos dias em que não sopra na cidade e quando ele voltará? Obstinados, os irmãos, junto com Baguinho, Ana e Caó, embarcam em uma aventura narrativa no mundo da palavra e da imaginação.




Enredo
Brincadeiras infantis. As asas da imaginação levam a lugares inimagináveis, constroem o que parecia impossível. Eis a essência de A Roda do Vento.
Em Catavento, moram Beijinho e Tarzan, irmãos que são sobrinhos de Tia Gênia, uma exímia contadora de histórias. Juntos com seus amigos (inclusive o "descrente" Baguinho), eles criam as mais diversas fantasias: até um barco!
A Roda do Vento é um livro infantil que não parece ter sido escrito por um adulto. Possui a essência infantil, a organização de ideias típica dos pequenos, a curiosidade latente e a imaginação muito fértil. Nélida conseguiu impregnar o livro destas características que o tornam ainda mais atraente para o público infantil.
As personagens principais (as crianças e Tia Gênia) são mostrada de forma bem detalhada, mas nada que torne este livro pesado demais para o público-alvo. A mente das crianças, como acima dito, é o aspecto principal.
Espaço e Tempo são aspectos tratados da mesma forma: são importantes e tratados da forma como é pertinente, porém envoltos na simplicidade de uma brincadeira infantil. Este livro prima pela leveza de conteúdo.
O andamento é constante com alguns picos de tensão, porém nada que seja maléfico ao leitor, muito bem dosado. A criatividade é ímpar, já que coloca a mente das crianças em pauta em um livro para as mesmas. Isto o diferencia da maioria dos livros infantis que possuem a mente dos adultos "traduzida" para a linguagem das crianças, enredos, em muitos dos casos, bobos. Uma analogia interessante é o modo como os adultos falam com os bebês: a voz fina e "cuti-cuti" passando mensagens que os pequenos não entendem.

Estrutura "Artística"
A capa com as crianças e o vento é muito pertinente ao enredo (e muito bem desenhada). A cor laranja chama a atenção.
A diagramação é muito boa e as letras são de um tamanho razoável, tornam a leitura adequada.
A sinopse cumpre o seu papel: coloca o leitor a par do que vai encontrar naquele enredo, porém não revela mais que o necessário.
O enredo foi, perceptivelmente, planejado e revisado.

Estrutura Física (Materiais)
As páginas são de excelente qualidade e de cor amarelada, a leitura se torna mais agradável. O material de capa é muito resistente, sendo pouco suscetível a vincos e amassados.

Análise
Enredo (x2): 4,25
 • Espaço (x2): 4 (muito bom);
 • Tempo (x2): 4 (muito bom);
 • Personagens (x2): 5 (ótimas);
 • Criatividade (x1): 5 (ótima);
• Andamento do enredo (x2): 4 (muito bom);
• Início, meio e fim (x3): 4 (muito bom);

Estrutura Artística (x1): 4,22
 • Capa (x1): 5 (ótima);
 • Diagramação (x1): 5 (ótima);
 • Fontes (x2): 5 (ótimas);
 • Sinopse (x2): 3 (boa);
• Enredo (x3): 4 (muito bom);

Estrutura Artística (x1): 5
• Capa (x1): 5 (ótima);
• Páginas (x2): 5 (ótima);


Nota final: [2*(4,25) + (4,22)*1 + (5)*1 ]/4= 4,43



Gostei da obra?
Gostei. Não foi um livro que me levou ao delírio (eu nem esperava por isso), mas considerando que adoro infanto-juvenis, eu esperava um pouco mais. Achei interessante o modo como a autora o escreveu, bastante autêntico. Mas, ao contrário do que normalmente acontece, não me impressionou muito e, como parte da resenha é o aspecto opinativo, a nota do livro caiu um pouco.

A Autora
Nélida Piñon: Quarta mulher a ingressar na Academia Brasileira de Letras e primeira a presidir a instituição, Nélida Piñon é uma referência na literatura brasileira. Passando a ocupar, em 1990, a cadeira que antes pertencera a Aurélio Buarque de Holanda, foi eleita Secretária Geral da casa em 1995 e no ano seguinte já era a presidente da Casa de Machado de Assis. Nélida Piñon nasceu em Vila Isabel, bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro, no dia 3 de maio de 1937. Por ser de uma família originária da Galícia que há 70 anos vivia no Brasil, Nélida estudou por 13 anos na Espanha antes de cursar jornalismo na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Colaborou em vários jornais e revistas literários e foi correspondente no Brasil da revista Mundo Nuevo, de Paris, e editora assistente

Agradeço à Galera Record pelo exemplar.


ATENÇÃO: Este tipo de resenha é um teste. As próximas poderão ser tanto neste formato quanto no anterior. Qualquer dúvida, mande um e-mail.
Declaro que as imagens usadas acima não são de minha autoria, respeitando os direitos autorais dos verdadeiros criadores.


Share this:

COMENTÁRIOS

2 comentários:

  1. Não não sou muito de ler infanto-juvenis, já li alguns de que realmente gostei, mas esse não chamou muito minha atenção.

    ResponderExcluir
  2. Parece um livro bem gostoso de ler, pra ser lido bem descompromissadamente. Você é bem crítica nas suas resenhas, o que é ótimo! Adorei :D

    Isabela

    ResponderExcluir