RESENHA: Delírio - Lauren Oliver


Delírio
Autor: Lauren Oliver
ISBN:  9788580571646
Páginas: 352
Editora: Intrínseca
Ano: 2012
Sinopse:  Muito tempo atrás, não se sabia que o amor é a pior de todas as doenças. Uma vez instalado na corrente sanguínea, não há como contê-lo. Agora a realidade é outra. A ciência já é capaz de erradicá-lo, e o governo obriga que todos os cidadãos sejam curados ao completar dezoito anos. Lena Haloway está entre os jovens que esperam ansiosamente esse dia. Viver sem a doença é viver sem dor: sem arrebatamento, sem euforia, com tranquilidade e segurança. Depois de curada, ela será encaminhada pelo governo para uma faculdade e um marido lhe será designado. Ela nunca mais precisará se preocupar com o passado que assombra sua família. Lena tem plena confiança de que as imposições das autoridades, como a intervenção cirúrgica, o toque de recolher e as patrulhas-surpresa pela cidade, existem para proteger as pessoas. Faltando apenas algumas semanas para o tratamento, porém, o impensado acontece: Lena se apaixona. Os sintomas são bastante conhecidos, não há como se enganar — mas, depois de experimentá-los, ela ainda escolheria a cura?

Enredo
• Espaço: Possui descrições detalhadas que são inseridas nas considerações subjetivas da personagem. O modo como são feitas faz com que se pareçam pinturas ou fotografias. Além disto, estes cenários reforçam os acontecimentos e as ações.
• Tempo: Não há definição formal de que época se passa, embora possa ser suposto em algumas citações. Sociedade, vestimentas e tecnologia não são muito eficazes nesta dedução, já que é um enredo distópico (possui várias diferenças importantes em relação ao tempo de hoje.
• Personagens: Por ser narrado em primeira pessoa, a visão dos acontecimentos e das outras personagens é condicionada a Lena, a personagem principal, mesmo que esta seja um tanto desiludida e bastante racional em alguns aspectos, praticamente vivendo como se fosse uma curada. Outro ponto importante de Lena é que o leitor vai conhecendo a mesma enquanto a autora a desconstrói. É possível dizer até que existem várias dela durante toda a história. Já Alex, o mocinho, exala encrenca desde o primeiro momento. É a típica personagem camaleoa: todas as circunstâncias comprovam o que diz, mas o leitor ainda não consegue acreditar. Algo interessante sobre este é que Alex consegue ser um garoto muito bom e compreensivo sem ser piegas, além de não contradizer seu aspecto pessoal. Já Hana, a melhor amiga, é justamente o contrário: parece promissora no início, porém se apaga até que o leitor quase se esqueça dela. Os curados são personagens iguais entre si pela semelhança de comportamento; o que os diferencia é a proximidade com Lena.
• Criatividade: O gênero distópico está em alta nestes últimos tempos. Este livro segue boa parte do padrão, mas se diferencia na temática.
• Andamento do enredo: Ritmo excelente do começo ao fim, alternando-se de acordo com a mente da personagem.
• Início, meio e fim: Há muita coerência entre os parâmetros acima. Citações, base bibliográfica e comportamento, tudo isto está de acordo. O crescimento da personagem e sua visão de mundo são notórios. O começo é um tanto lento para que o leitor tome consciência das personagens e de seu momento histórico. A partir deste momento, há uma troca de reflexões entre Lena e o leitor enquanto esta cresce e se afirma. Todo o enredo é muito bonito, mas o final ficou clichê.


Estrutura "Artística"
• Capa: É uma capa reluzente e muito bonita; todavia, como este livro pode interessar aos meninos (não é meloso), esta capa afugenta os potenciais leitores do sexo masculino.
• Diagramação: Excelente.
• Fontes: de tamanho excelente, fácil assimilação e leitura.
• Sinopse: Entrega um pouco mais que deveria. Talvez fosse melhor brincar com a a incerteza de que Lena se apaixonará, se contestará a situação. Ao afirmar que Lena se apaixona, a sinopse joga fora quase metade do enredo.
• Enredo: É pensado no sentido das referências bibliográficas da época, da política e até do gancho para o próximo livro (sim, é uma série).

Estrutura Física (Materiais)
• Capa: Material agradável ao toque, permite que a lombada seja aberta razoavelmente sem se deformar. Na capa em si, pode estar sujeito a alguns vincos ou rasgos profundos.
• Páginas: De cor amarelada, reduzem a intensiva reflexão de luz, auxiliando o leitor a prolongar seu tempo de leitura.

Análise
Enredo (x2): 4,5
 • Espaço (x2): 5 (muito bom);
 • Tempo (x2): 5 (ótimo);
 • Personagens (x2): 5 (ótimas);
 • Criatividade (x1): 4 (muito bom);
• Andamento do enredo (x2): 4 (muito bom);
• Início, meio e fim (x3): 4 (muito bom);

Estrutura Artística (x1): 3,67
 • Capa (x1): 2 (regular);
 • Diagramação (x1): 5 (ótima);
 • Fontes (x2): 5 (ótimas);
 • Sinopse (x2): 2 (regular);
• Enredo (x3): 4 (muito bom);

Estrutura física (x1): 4,3
 • Capa (x1): 3 (boa)
• Páginas (x2): 5 (ótimas)

Nota final: [2.(4,5) + (3,67).1 + 4,3.1]/4= 4,24





Gostei da obra?
Até que gostei. Todavia, me decepcionou muito em alguns momentos e, principalmente, no final. Este livro começou bem promissor, mas pecou em alguns excessos (e faltas) e alguns clichês. Eu entendo que se trata de uma série e que, portanto, precisa de um gancho interessante, mas o que se sucedeu foi um clichê dos grandes. Fiquei procurando como uma doida se não tinha deixado nada passar. Ademais, tudo nos conformes. Que venha o próximo!

A Autora
LAUREN OLIVER foi assistente editorial numa grande editora nova-iorquina. Formada pela Universidade de Chicago e mestre em Fine Arts pela Universidade de Nova York, dedica-se hoje integralmente a seus livros e a novos projetos editoriais — passa boa parte do tempo em trens, ônibus e aviões e escreve sem parar, no notebook ou em guardanapos.  Vive no Brooklyn, que chama de “o lugar mais feliz da Terra”, tem dez tatuagens, gosta de cozinhar, bebe café demais e sempre exagera no ketchup.Antes que eu vá é seu romance de estreia.

Agradeço à Editora Intrínseca pelo exemplar.



Share this:

COMENTÁRIOS

7 comentários:

  1. Samantha Monteiro21 de maio de 2012 14:27

    Toda resenha que vejo fala super bem desse livro, agora a onde de romances distópicos está com tudo!!

    xD~


    Beijos,Samantha MonteiroWord In My Baghttp://wordinmybag.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Teve um tempo que tava querendo muuuuito ler esse livro, mas no momento não estou desesperadamente desesperada, sabe?! hahaha
    Mas ainda quero muuuito!
    Adorei sua resenha!

    :*MiInteiramente Diva

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ana!
    Que bela resenha!
    De modo geral também me parece um ótimo livro, com uma história de amor que não fica em segundo plano nessa distopia, já que desobedecer ao governo é amar.
    Também tenho uma resenha de Delírio, mas é para os próximos dias.
    Ótima semana, Ana!

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho bastante vontade de ler esse livro, fora que a capa dele vai dar um show na minha estante rsrs
    Beijos

    ResponderExcluir
  5.  Olá, Samantha!

    Pois é, a onda agora é de distópicos. Claro que o livro possui algumas (que eu considero) falhas, mas tudo pode melhorar. Sempre acreditar no potencial!

    Obrigada pela visita! :D

    ResponderExcluir
  6. Olá, Adriana!

    Obrigada pelo elogio! Sempre prezo pela honestidade em minhas resenhas, afinal, o meu público são vocês e tenho de ser fiel, certo? Pode contar comigo neste quesito!
    Eu me incomodo demais com clichês. Para mim, é como se a pessoa não tivesse criatividade, sabe? E eu prezo muito pela criação, pelo novo. Concordo, só lendo para saber.

    Obrigada pela presença! :D

    ResponderExcluir
  7.  Olá, Miiiiiiii! *-*'

    Aaah, entendo! Também sou assim, rs! Eu pedi mais porque eu gostei da sinopse (adoro romances "romeu e julieta", sabe), mas acho que se soubesse como era realmente não teria lido. Não sei... Distópicos são legais, mas não são o "must" para mim, sabe?

    Obrigada pela presença, diva! :D

    ResponderExcluir