RESENHA: Julie & Julia - Julie Powell

Julie & Julia
Autora: Julie Powell
ISBN: 9788576162681
Páginas: 344
Editora: Conrad
Ano: 2007
Sinopse: Best Seller internacional e vencedor do primeiro Blooker Prize (que premia livros baseados em blogs), Julie & Julia é uma história de desafios e superação, de risos e lágrimas, de uma mulher moderna lutando para colocar ordem em sua atribulada vida. Prests a completar 30 anos, insatisfeita com o emprego de secretária de uma repartição pública e sufocada pela pressão crescente para ter um bebê, Julie sentia-se incapaz de dar rumo diferente a sua vida. Para piorar um pouco mais, foi obrigada a se mudar com o marido para uma quitinete num bairro afastado, a quilômetros de distância do trabalho e dos amigos. Parecia mesmo um beco sem saída.
Porém a solução estava no lugar mais improvável: no velho livro de receitas guardado na cozinha de casa da mãe. Meio por acaso, Julie se surpreende experimentando a primeira receita de Mastering the Art of French Cooking. Dado o primeiro passo, ela decidiu seguir adiante e enfrentar o desafio de fazer as 524 receitas contidas no clássico de Julia Child (uma das mais importantes apresentadoras de programas de culinária na TV norte-americana, aqui apresentada num delicioso prefácio da chef Rita Lobo) em apenas um ano - e escrever um blog relatando a façanha.

Enredo
• Espaço: apesar de ser um livro de ficção (mesclando, é verdade, muitas passagens da vida da autora), não há uma importância vital do espaço no enredo, o que não é, absolutamente, ruim. A característica leve do referido livro faz com que elementos primários em uma história de ação, por exemplo, fiquem em segundo plano. Utilizando-se da descrição de objetos e cenas apenas para ambientar o leitor, o aspecto "Espaço" está perfeitamente coerente com a proposta do enredo em que se encontra.
• Tempo: adquire as mesmas características do aspecto "espaço": sucinto, apenas quando necessário, mas existente e muito bem posicionado. A descrição temporal se faz através de anos deste século.
• Personagens: apesar de haver referências a outras personagens importantes, o foco, sem sombra de dúvida, é Julie e seu crescimento e transformação pessoais a partir de suas experiências literárias e gastronômicas. Portanto, deve ser uma personagem complexa, muito mais que o normal (afinal, quem melhor para conhecer alguém do que a própria pessoa?). As outras personagens são caracterizadas de forma subjetiva pelo ângulo da autora e só têm importância em suas interações diretas com a mesma, o que não compromete a leveza proposta. Um adendo: além de extremamente complexa, Julie conseguiu manter no enredo sua veia sarcástica original, o que ressalta a complexidade acima referida.
• Criatividade: Enredos baseados em blogs não são incomuns, mas a abordagem do livro foi criativa sim. Além de explicar os motivos e situações por que Julie passou, o livro possui uma lição gastronômica e de vida em cada página, o que o torna diferente e especial da maioria dos livros do "gênero. Um sui-generis, com certeza.
• Andamento do enredo: Rápido como uma flecha. A leveza da história e a veia sarcástica (e divertida) de Julie são fatores determinantes deste aspecto.
• Início, meio e fim: o início é um tanto obscuro. Para quem já leu a sinopse e já tem uma ideia do que se trata o livro, este aspecto passa a ser uma breve introdução à história de fato; mas para quem não leu, trata-se de saciar uma curiosidade acerca dos fatos ali desenrolados e que também o serão durante o enredo e sua ligação com a culinária (ou uma sopa de batatas). O meio mantém o andamento leve e divertido, mas o leitor já possui as informações necessárias sobre a trajetória de Julie, o que o torna muito mais íntimo e ligado à história (e isto é o maior ponto a ser destacado neste livro). O fim não tem nada de extraordinário, mas não é algo que seja ruim de todo. "Clichês" bem humorados são muito divertidos. Um ponto que poderia ser melhorado é a extensão da autora em alguns trechos desnecessária, seja em aspectos culinários, seja na construção da história de sua trajetória. Estes pontos não são regra durante o enredo, mas existem e criam uma contradição que não é aceitável.

Estrutura "Artística"
• Capa: a figura escolhida é totalmente pertinente à história. O esquema de cores é chamativo e instiga o leitor.
• Diagramação: fixa, confere organização.
• Fontes: de tamanho razoável, de fácil leitura e que não cansam o leitor.
• Sinopse: A sinopse acima, embora não seja um primor do gênero, explicita bem o que é o livro: um best-seller e uma história leve e divertida mesmo em seus piores momentos.
• Enredo: a escolha das palavras e da ordem das mesmas confere pessoalidade ao enredo, o que é intensificado durante o mesmo com outros aspectos, tais como espaço, tempo, personagens...

Análise
Enredo (x2): 4,33 (muito bom);
 • Espaço (x2): 4 (muito bom);
 • Tempo (x2): 5 (ótimo);
 • Personagens (x2): 4 (muito boas);
 • Criatividade (x1): 4 (muito boa);
• Andamento do enredo (x2): 5 (ótimo);
• Início, meio e fim (x3): 4 (muito bom);

Estrutura Artística (x1): 3,89 (boa);
 • Capa (x1): 5 (ótima);
 • Diagramação (x1): 4 (muito boa);
 • Fontes (x2): 4 (muito boas);
 • Sinopse (x2): 3 (boa);
• Enredo (x3): 4 (muito bom);


Nota final: [2.(4,3) + 3,89.1]/3 = 4,16

Trechos interessantes

"Enfim, foi na segunda colheita (falam assim mesmo; as clínicas de fertilidade empregam uma série de palavras um tanto apocalípticas) que descobri que sofro de Síndrome dos Ovários Policísticos, algo que parece assustador, mas aparentemente significa apenas que ficarei peluda e gorda e terei de tomar uma batelada de remédios para engravidar. "
"Passei muito tempo sem experimentar a ignorância deliciosa e libertina com que eu lia aqueles livros - que droga, fazer sexo não era tão excitante quanto ler sobre sexo!"
"Dos 20 aos 30 anos, eu supostamente deveria ter passado meu tempo (a) trabalhando noventa horas por semana num emprego superbem pago e eticamente nebuloso, enchendo a cara e fazendo sexo selvagem com um monte de homens de 20 e poucos anos; (b) acordando sempre ao meio-dia no meu loft em Williamsburg para me dedicar a projetos de pintura/poesia/tricô/arte performática, me recuperando tranquilamente dos efeitos das drogas da moda e das boates sofisticadíssimas e do sexo selvagem com um monte de homens (e mulheres, se eu desse conta) de 20 e poucos anos; ou (c) dando prosseguimento a meus estudos, me esfalfando para escrever uma tese de doutorado obscura enquanto aliviava minhas aflições intelectuais com um pouco de maconha e sexo selvagem com um monte de professores e universitários. Era esse o plano para alguém como eu."

Gostei da obra?
Amei de paixão! O jeito com a Julie o escreveu, como associou gastronomia, literatura e vida...! É claro que a minha nota não pode refletir somente a minha opinião pessoal, mas os aspectos técnicos não foram suficientes para abaixar consideravelmente a nota de um livro com o qual me identifiquei tanto. Sou como a Lizzie: ADORO rir. Mesmo na desgraça. Não tem seriado que me faça mais feliz do que um de comédia. Então, este livro me deixou perfeitamente à vontade. E mais: me mostrou que posso SIM aprender a cozinhar satisfatoriamente (eis uma das minhas paixões secretas, muito embora eu seja um desastre perto de um fogão). Vou levar os ensinamentos das duas J por muitos e muitos anos. A-M-E-I!

A Autora
Julie Powell é uma mestra de "Romances Culinários". Seu primeiro livro foi Julie & Julia, best-seller do New York Times, que consistia em preparar as 524 receitas de Maestering the Art of French Cooking em um ano e relatar em um blog. O sucesso foi tanto que o blog virou livro e o livro firou filme. Dirigido por Nora Eprhon e estrelado pela magnífica Meryl Streep e Amy Adams. Recentimente Julie lançou Destrinchando.

Esta resenha faz parte do Desafio Literário 2012.





Share this:

COMENTÁRIOS

7 comentários:

  1. Que livro gostoso esse parece ser!
    A parte que mais gosto das suas resenhas é a "gostei da obra?" e é a única que consegue me fazer querer o livro >< E agora eu quero muito!

    Beijos,

    Nanie - Nanie's World

    ResponderExcluir
  2. Ana, eu já assisti ao filme e gostei muito. Fiquei bem curiosa para ler o livro. Adoro seu modo de análise.
    Parabéns.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Rir é sempre o melhor remédio a meu ver e se acoplado com receitas culinárias... ah! perfeito! Fiquei curiosa em ler o livro.
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Ana agora sim fiquei confusa...rsrs...apesar de saber que se você disse que era bom eu acreditar piamente nisso, fiquei na dúvida porque li outra resenha em que a blogueira expresso que não gostou de jeito maneira do livro. Acho que esse eu terei que ler para conferir.
    Eu terminei minha vida na frança biografia da Julia Child e amei em breve sai resenha...\o/....beijokas elis

    ResponderExcluir
  5. Só pela sinopse, eu já gostaria de ler o livro. Depois de ler a resenha, isso só aumentou *-* Os trechos são engraçados, e eu acho que a principal característica, na minha opinião, que faz qualquer livro ser bom, é o humor. Então, esse livro definitivamente entra para a minha lista.

    ResponderExcluir
  6. Nossa!
    Achei que havia comentado essa resenha...
    Esse livro deve ser uma delícia de ler, fiquei com água na boca só de ler a resenha.

    Bom final de semana!!
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Devo dizer que a sua resenha deixou a história mais curiosa para mim, mas o que me atraiu mesmo foram as citações, em especial a terceira e é justo porque eu costumo me colocar as mesmas coisas (não que eu tenho 20 anos ou vá fazer sexo selvagem com homens, mas eu sempre falo que o dia acabou e eu poderia etr feito [a] dormido; [b] lido um livro; mas não eu fui para a escola argh!)

    ResponderExcluir