RESENHA: Shantaram - Gregory David Roberts

Shantaram
Autor: Gregory David Roberts
Editora: Intrínseca
Ano: 2011
Número de páginas: 912
Edição: 
Palavras-chave: Literatura Estrangeira, Século XXI
Skoob

Sinopse: Depois de fugir de uma prisão de segurança máxima na Austrália, Lin desembarca na Índia com um passaporte falso, sem identidade, sem família, deixando para trás um passado de crimes e drogas.

Na companhia de Prabaker, seu guia e amigo fiel, Lin encontra abrigo em uma favela, na qual instala um pequeno posto de saúde. Perseguido por um inimigo tão misterioso quanto influente, ele faz sua iniciação no sombrio mundo do crime organizado e estabelece vínculos de lealdade que o levarão até a guerra nas montanhas nevadas do Afeganistão. A solução para todos os mistérios parece se encontrar nas mãos de duas pessoas: Khader Khan, líder de uma facção da máfia de Bombaim, ao mesmo tempo bandido e filósofo, e a enigmática e bela Karla Saaranen.
Inspirado em acontecimentos da vida do próprio autor, Shantaram é uma narrativa histórica vertiginosa, que descreve toda a exuberância de Bombaim (atual Mumbai), cidade ao mesmo tempo terrível e deslumbrante. Shantaram emociona, envolve e surpreende a cada página.


Espaço
     Há vários ambientes em que a história se passa, mas o mais marcante é o de Bombaim.

• Caracterização: Muito bem feita, tendo em vista de que se trata de um relato e que os ambientes têm papel fundamental na progressão da história. A narrativa em 1ª pessoa traz a possibilidade de um comentário, de um julgamento por parte do narrador em relação às paisagens e ao que se passa ao seu redor, tornando os locais muito mais próximos e conhecidos do público (mesmo que este nunca estivesse lá presente); torna mais real, mais humano.

Tempo
         É ambientado a partir dos anos 80 (baseado em fatos reais).

• Caracterização: Tem suma importância no enredo, embora muitas das realidades daquela época não tenham se alterado até hoje. É bem caracterizado e coerente com a história, mais uma vez endossando seu aspecto baseado na realidade dos fatos.

Personagens
       Como é narrado em primeira pessoa do singular, a visão das outras personagens (exceto Lin) se torna subjetiva. Entretanto, o narrador, por seus contatos próximos, explica alguns dos pensamentos e atitudes das personagens que o rodeiam. Não se trata de uma narrativa psicológica, mas a profundidade das personagens, em especial a principal, é grande e complexa, visto que estas personalidades de fato existiram e coexistiram com o autor da obra; outro efeito que confere maior veracidade ao enredo.

Coerência entre espaço, tempo e personagens
        Uma das maiores coerências que se pode encontrar na literatura, visto que os fatores realidade e grande talento literário do autor, quando juntos, tornam esta obra muito forte e coerente em todos os pontos.

Enredo
        Como explicitado acima, a combinação de um espaço e tempo primordiais e bem entrelaçados entre si, associados com o aspecto das personagens reais, em conjunto com o talento literário do autor e o modo com o qual ele conduz este relato tornam este enredo um dos mais fortes possíveis. Além disto, apesar do extenso número de páginas, é uma leitura relativamente rápida, pois não exige grandes reflexões do leitor no momento da leitura. A reflexão é póstuma, pois o enredo traga o apreciador para dentro de si e não propõe tempo para tais pensamentos. A ação prioritária do leitor é ler mais e mais, apreciar cada palavra, cada acontecimento deste relato incrível até o fim (que, provavelmente, ele não percebe que está chegando). A partir da leitura, é possível repensar cada um dos fatos, as culturas de cada país, as afirmações do narrador.
       Não possui picos de intensidade, o que zera a possibilidade de cansaço por parte do leitor.

Capa e Sinopse
        A capa é bonita, coerente com proposta e espaço do livro. A cor vermelha é chamativa; o aspecto queimado, entretanto, não a torna chocante (o que é bom). O detalhe das fases da lua acima da capa são um charme à parte. Cores escolhidas combinam bem entre si.
        A sinopse é muito bem colocada. Revela boa parte dos fatos, mas isto não impede o leitor de apreciar a leitura e se impressionar (e surpreender com ela). É um livro mais longo, profundo, que permite a sinopse ser um pouco mais extensa.

Estrutura física
       Materiais de confecção da obra são excelentes: o material de capa é resistente e não marca ou "descama" com facilidade;  o material das páginas permite um agradável toque. 
        Cor amarelada das páginas quebra o excesso de reflexão da luz, propiciando uma leitura bem mais agradável. Capricho nos detalhes das páginas e na escolha das letras; diagramação exemplar. Nenhum erro ortográfico ou de digitação encontrado.


Gostou da obra?
       Gostei do começo ao fim. Interessei-me, primeiramente, pelos direitos de filmagem terem sido comprados pelo ator Johnny Depp, que segue uma linha bem diferente dos enlatados hollywoodianos, o que contou muitos pontos para que eu o lesse. O número de páginas não me intimidou, pois gosto de desafios. A narrativa foi a maior surpresa, já que me tragou de uma maneira fenomenal para dentro dela. Acho incrível quando um livro é baseado em fatos reais e se passa em outro país, com outra cultura, outros tempos; como dito acima, Roberts conseguiu imprimir uma veracidade maravilhosa ao enredo. Eu nunca fui a Bombaim ou aos ambientes que ele frequentou, mas posso dizer que conheço cada um como a palma de minha mão, tamanha a eficiência da escrita do autor e de sua descrição espacial. Fiquei tão empolgada e ligada a este enredo que o li em 3 horas e estou refletindo sobre ele até hoje! Uma leitura excelentíssima!

Avaliação
Enredo (original, com intensidade crescente; boa escrita): 5 (ótimo)
Capa e sinopse (em conformidade com os melhores parâmetros): 5 (ótimos)
- Estrutura Física (bom material de capa; boas letras, boa diagramação, capricho.): 5 (ótima)
Espaço (caracterização complexa, confere grande respaldo ao enredo.): 5 (ótimo)
Tempo (idem a "espaço"): 5 (ótimo)
Personagens (complexidade, subjetiva mas com explicações): 5 (ótimas)
Fluxo narrativo (variação nula de intensidade, evita o cansaço do leitor): 5 (ótimo)
Aspectos linguísticos (não há inconformidades): 5 (ótimos)

Nota: 5






Recomendações
Não recomendado a crianças pela complexidade e algumas palavras impróprias para a idade. Recomendado para todos os outros!

O Autor
Gregory David Roberts é um autor australiano, mais conhecido por seu romance Shantaram. Ele era um viciado em heroína e condenado assaltante de banco que fugiu da prisão Pentridge e fugiu para a Índia, onde viveu por 10 anos.

Roberts viveu em Melbourne, Alemanha e França e, finalmente, voltou a Mumbai, onde montou fundações de caridade para ajudar pobres da cidade com cobertura de cuidados de saúde. Roberts se reencontrou com sua filha.
Ele também escreveu o roteiro original para a adaptação cinematográfica de Shantaram (2011), bem como o roteiro do filme de 2008 Allegra, que é sobre o moderno comércio de escravidão das mulheres.



Obrigada à Editora Intrínseca pelo exemplar.





Esta resenha faz parte do:


Share this:

COMENTÁRIOS

6 comentários:

  1. Nossa, Ana, ótima resenha.
    E um livro com nota 5.
    Fiquei muitissimo interessada em ler.

    Bjok

    ResponderExcluir
  2. Nossa, deu para ver que você gostou mesmo do livro! Ler 912 páginas em 3 horas não é para qualquer um não! :o
    Para ser sincera eu nem sabia que o livro era tão grande assim, mas confesso que a sinopse me deixou muito interessada! Depois de ler a sua resenha então, meu interesse cresceu em 10 vezes (ou mais) ^^
    Com certeza irei ler :)

    Abraços,
    http://leitorasanonimas.com

    ResponderExcluir
  3. Ana!
    Nossa! O livro é grosso, mas pelo vista nada entediante, deve ser uma leitura bem dinâmica pelo que entendi.
    Como sempre, suas resenhas me surpreendem, adoro!
    Nota máxima, fiquei bem curiosa em ler.
    Obrigada.
    Cheirinhos
    Rudy

    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Mais de 900 páginas em 3 horas!!!
    Como vc conseguiu isso? Cara vc lê muito rápido!!! O livro deve ser bom mesmo, e se o Johnny Deep gostou também fico mais motivada a ler, confio no gosto dele.

    ResponderExcluir
  5. que invejinha de você! Quero taaanto ler esse livro!
    Amo livros grossos (os pequenos não me seguram por muito tempo né hehehe).
    Sua resenha confirmou minhas suspeitas: o livro deve ser maravilhoso!
    Beeijos!

    ResponderExcluir
  6. Uma pena, que acabou 910 páginas de roteiro belíssimo, amei Shantaram, especialmente nosso alegre Pabru, logo teremos sequencias desse comovente, agitada estéria. 

    ResponderExcluir