[RESENHA] O Jovem Sherlock Holmes: Nuvem da Morte - Andrew Lane

O Jovem Sherlock Holmes: Nuvem da Morte
Título Original: Death Cloud
Autor: Andrew Lane
Editora: Intríseca
ISBN: 978-85-8057-062-5
Ano: 2011
Edição:
Palavras-chave: Literatura Estrangeira
Tradução: Débora Isidoro
Revisão: Lucas Mello e Umberto Figueiredo
Ilustração de Capa: Kev Walker e Sam Hadley
Skoob

Sinopse: "Você acha que o conhece? Pense duas vezes."

Dois Cadáveres 
Um Herói Extraordinário
A Origem de Uma Lenda

Sherlock Holmes tem apenas catorze anos quando, ao caminhar por um bosque, descobre um cadáver. Trata-se de um homem. Está coberto de pústulas. É então que Holmes começa uma nova vida.
Sua mente destemida e a sede de aventuras conduzem-no por uma jornada capaz de deixar qualquer um sem fôlego: da tranquilidade da vida no campo ao submundo das docas londrinas, enfrentando fogo, espionagem e sequestros, até o cerne de uma aterrorizante trama que poderá mudar o futuro da Grã-Bretanha.

Espaço
No geral, a Inglaterra. Passagens em Escola Deepdene para Meninos, Farnham (a maior parte), Londres e Cherbourg (França).

• Caracterização: é bem específica e fiel a cada região: o caráter sujo do Rio Tâmisa em Londres e a imponência da cidade, o aspecto rural de Farnham e de todos os elementos que a cidade abrange, as paisagens inglesas em contraste com as francesas. Dentro dos imóveis, a disposição dos cômodos é sempre a mesma, sem incoerências (referência ao Barão de Maupertuis).

Tempo
Inglaterra, século XIX, adolescência de Sherlock Holmes.

• Caracterização: Tudo ao redor "transborda" referências ao tempo: os móveis, as vestimentas, os meios de transporte e de comunicação da época, a menção à política neocolonialista.

Personagens
Por se tratar de uma aventura infanto-juvenil, as personagens não são tão aprofundadas nos aspectos psíquicos, embora cada uma possua um traço muito marcante de sua personalidade; traço este que, ao longo da história, determinará seu destino e sua importância no desfecho da aventura.

Coerência entre espaço, tempo e personagens
É uma costura muito interessante: os três se complementam como um quebra-cabeças, os encaixes são perfeitos. Por exemplo, a personalidade de Virgínia e que impressões isto figurava na sociedade daquela época (muito bem caracterizada pelo tempo e espaço em que estava inserida).

Enredo
É narrado em 3ª pessoa. O enredo segue uma sequência lógica até o fim, pouco saindo da perspectiva da personagem principal, Sherlock (exceto no prólogo).
O Prólogo poderia ter sido melhor aproveitado. A importância que este tem para a aproximação de leitor e história é imprescindível; pela proposta do livro, é um tanto fraco.
O enredo em si traz muitas alternâncias entre entre picos de tensão e momentos de calmaria. Por se tratar da "primeira" aventura da personagem, é compreensível que seus dons estejam brutos e quase inexplorados, mas era de se esperar um pouco mais de "genialidade" por parte da mesma. O mistério foi bem construído, é simples e de fácil entendimento por parte do leitor.
As personagens deste livro têm um pouco das personagens de Doyle; é possível que um leitor desavisado consiga confundir Virginia Crowe com Irene Adler; ou até mesmo Matt com Watson, uma questão de perspectiva: alguns aspectos da personalidade destes poderiam ser mais enfatizados a fim de evitar este tipo de confusão.
Conteúdo
Sherlock Holmes é um adolescente cuja vida se limita aos períodos na Escola Deepdene para Meninos e as férias com a família. Toda esta estrutura muda quando seu irmão, Mycroft, o encaminha à casa dos tios, nas proximidades de Farnham, já que sua mãe está doente e seu pai está na Índia. As tardes de Sherlock se tornam entediadas pelo fato de seu tio mal prestar atenção nele, sua tia passar o dia num monólogo interminável e a governanta da casa, Sra. Eglantine, reprová-lo em qualquer atitude, até que conhece Matthew Arnatt, um garoto que pensa ter testemunhado uma nuvem que se movia por sua própria vontade fazer mal a alguém. É atrás da "Nuvem da Morte" que Sherlock, Matt, Amyus Crowe (contratado para ser seu tutor) e Virgina Crowe se descobrem em meio a uma conspiração que poderá derrubar o grande Império Britânico.

Capa
As letras são muito bonitas e os espaços, bem aproveitados. A figura chama a atenção, mas de fato não tem muita relação com o enredo; serve mais como atrativo à leitura.

Outra Capa:
Sinopse
É forte já na primeira frase. Por ser curta e dividida em blocos de intensidade, atrai a curiosidade e vontade do leitor, aliada à menção à fama da personagem original de Conan Doyle. Bem planejada.

Estrutura física
A parte gramatical foi totalmente respeitada na tradução. A letra e a diagramação do livro são boas. A capa e as páginas são macias e de fácil manuseio.

Gostou da obra?
Sou fã de Sherlock Holmes e isto foi um aditivo quando comecei a ler. No começo, a leitura me pareceu lenta justamente por ter de "conhecer" os aspectos infanto-juvenis de personagem tão querida; mas a partir do momento em que o mistério vai sendo observado e desenrolado, a história ganha uma aceleração constante, de forma que é possível lê-la sem desejar parar. Exceto no final do capítulo treze, em que a junção de tantos altos e baixos pode cansar o leitor, como aconteceu comigo. Após algum tempo sem ler, fui recompensada: a história volta com intensidade semelhante e o final é interessante. Em suma: gostei - não como gosto do original, mas ainda assim gostei.

Avaliação
- Enredo: 8
- Capa: 8
- Caracterização das personagens e entrosamento entre as mesmas: 8
- Caracterização do tempo e espaço e coerência entre os mesmos: 9
- Aspectos gramaticais: 10
- Sinopse: 8
- Estrutura física: 10

Nota: 8,7


Recomendações
A todos os fãs de Sherlock Holmes, ao público alvo (os jovens). Em suma: a todos!

O Autor
Andrew Lane atuou por anos como redator de imprensa especializado em televisão e é autor de vários romances ambientados no universo de conhecidas séries da rede BBC inglesa, como Doctor Who, Torchwood e Randall and Hopkirk (Deceased), além de obras de não ficcção dedicadas a filmes e personagens famosos como James Bond. Vive em Dorset, no sul da Inglaterra, com a mulher e o filho, em meio a uma vasta coleção de livros sobre Sherlock Holmes acumulada ao longo de vinte anos - o que, agora ele afirma, foi uma despesa mais que justificada.




Share this:

COMENTÁRIOS

11 comentários:

  1. Parabéns pelo blog! Muito manero :D

    S.Rïver
    http://saimonrio.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. teu estilo de resenhar é praticamente uma crítica literária! sou tua fã! beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Ana!

    O teu estilo de resenhar com certeza é único! Eu gosto muito!
    Com muita vergonha eu admito que nunca li nada sobre Sherlock Holms. Mas veja como o mundo é pequeno, eu ganhei hoje um exemplar de "Um Estudo em Vermelho", entro no blog e encontro sua resenha. Coincidência? Acho que não...

    B-jussssssssss! ♥

    ResponderExcluir
  4. Oi! Nostalgia da época em que lia Conan Doyle! heheh

    Este autor ainda não li, mas se conta historias de Sherlock Holmes deve ser bom! Valeu a indicação, já está na fila para ser lido!

    Ah... sempre excelente teu blog hein guria! Parabéns!

    Bjks.
    Mara
    http://folheandolife.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Ei Ana!

    Concordo com quem disse aí em cima que vc é uma crítica literária.
    Parabéns pelo texto!

    Não conheço nada de Sherlock Holmes =/
    Livro vai para lista!

    Bjins

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito do jeito que vc construiu a resenha: por tópicos. Nunca tinha visto e gostei bastante dessa estrutura. Parabéns! :)
    Aliás, a sua crítica do livro ficou bem completa. ^^
    Estou querendo muito esse livro.
    Adoro suspense e essa deve ser uma obra bem interessante.

    Beijos. *-*

    ResponderExcluir
  7. Oi!

    Hum, sua resenha é bem diferente! Gostei da abordagem.

    Olha só, Holmes é um dos meus personagens preferidos. Comecei a ler Doyle com 10 anos, adoro as histórias dele. Bom, o fato desse personagem tão único aparecer como adolescente me assusta (sem tabaco, sem cocaína/morfina, sem Watson, sem Baker Street, sem o violino, sem a tropa, etc, etc, etc), mas, a curiosidade é maior!

    Bjos!

    ResponderExcluir
  8. Muito bom o seu jeito de fazer uma resenha. Adorei!
    Bjus

    ResponderExcluir
  9. Amo Sherlock Holmes!!!
    Não tem detetive melhor.
    Bjs, Gabi

    ResponderExcluir
  10. De Sherlock Holmes só assiti o filme recente. Esse é o tipo de livro que gosto muito, com um misterio pra desvendar, aventura. Ainda bem que a história não é lenta, vai acelerando né. ainda bem mesmo porq odeio história arrastada. Essas letras da capa parecem ser bem bonita mesmo.

    ResponderExcluir
  11. Tenho muita vontade de ler algum livro do Holmes, qualquer dia resolve e compro um.
    Bjos, Carol.

    ResponderExcluir