RESENHA: Ficção de Polpa: Crime!

Ficção de Polpa: Crime!
Autores: Carlos Orsi, Yves Robert, Octávio Aragão, Rafael Bán Jacobsen, Carol Bensimon, Carlos André Moreira e Ernest Bramah
Editora: Não Editora
ISBN: 978-85-6124-918-2
Ano: 2011
Edição:
Capa e Projeto Gráfico: Samir Machado de Machado
Ilustrações: Jader Corrêa (arte-capa), Mathias Strebb (cor-capa), Bernardo Assis Brasil, Diego Moreira, Elvis Moura, Fernando Gil, Mauricio N. Santo, Octávio Aragão e Rodjer Goulart
Supervisão Artística das Ilustrações: Daniel HDR
Revisão Gramatical: Rodrigo Rosp
Skoob

Sinopse: Um assassinato. Um roubo. Uma suspeita levantada. Onde há um crime, há alguem tentando resolvê-lo - e outro desejando que nada seja descoberto. Em páginas intensas de emoção, suspense e aventura, Ficção de Polpa resgata o prazer das histórias de crime e mistério.

Espaço
• Caracterização:


"As Muralhas Verdes": como o espaço é de muita importância para a ação, sua descrição tem maior foco durante a história. A descrição feita pelo autor é de fácil assimilação.
"A Conspiração dos Relógios": há "objetos" que são determinantes na história; é uma descrição mais específica de cada ambiente em sua relação com a história. A visualização de todo o espaço não é completa, por conseguinte; o que, todavia, não altera o rendimento do enredo.
" A Aventura do Americano Audaz": por se tratar de um "caso" de Holmes e ser detalhado por Watson, a visualização do espaço, por mais que se pretenda o contrário, é pessoal (como muitas vezes ocorre nos livros de Doyle). Uma descrição detalhada dos ambientes com o enfoque subjetivo de Watson.
"A Carne é Fraca": A caracterização deste espaço é um tanto confusa no começo por se tratar de um relato; assim, as personagens que narram este enredo não seguem uma linearidade (o que é plausível). Após algumas páginas e a troca dos narradores, é possível se familiarizar melhor com os locais.
"Agulha de Calcário": um dos espaços de mais difícil visualização. Além de várias pessoas narrando o contexto (como no conto anterior), há ainda os locais em que as cenas se passam, que são mais abrangentes. Assim, é possível que o leitor se confunda em algumas cenas (principalmente perto das Falásias), mas nada que altere o aproveitamento desta leitura.
"Um Dos Nossos": a caracterização deste espaço é a mais impessoal e direta de todas. Por se passar no Brasil, também é a de melhor visualização (pelo conhecimento do público da situação nacional).
"A Moeda de Dionísio": O espaço desta narrativa é descrito de um modo mais casual, de modo a ambientar melhor o leitor em toda sua extensão; não é desleixado, todavia: esta forma de caracterização tem sua razão de o ser.

Tempo
• Caracterização:

"As Muralhas Verdes": Por se tratar de um enredo mais com mais "ação" em sua construção, o tempo é linha fundamental desta narrativa, muito embora não seja absoluto.
"A Conspiração dos Relógios": Infere-se, pelo título, que o tempo tem fundamental participação neste enredo. Há a definição numérica, mas esta é apenas uma das formas menos utilizadas de tempo neste enredo.
" A Aventura do Americano Audaz": Por se tratar de um relato de Watson, o tempo aqui só tem a importância na constituição de uma linha narrativa constante; sua participação não é muito efetiva.
"A Carne é Fraca": O tempo neste conto é relativo a cada uma das personagens que o narra. Algumas o definem com números; outras se utilizam de referências externas para determiná-lo.
"Agulha de Calcário": Embora seja narrado por mais de uma personagem, o tempo, neste conto, é fixo: o que se alteram são as paisagens, mas não a ordem dos acontecimentos.
"Um Dos Nossos": O tempo é utilizado de forma cronológica neste enredo, sem grandes participações.
"A Moeda de Dionísio": O tempo é definido aqui, embora não participe de forma efetiva do enredo (está indiretamente relacionado ao espaço).


Personagens
"As Muralhas Verdes": As personalidades de cada uma são descobertas ao longo do enredo (até mesmo  a do detetive). As personagens da "Muralha" são fator decisivo para que houvesse o crime.
"A Conspiração dos Relógios": A perturbação que os objetos produzem nas personagens são muito bem descritas e elaboradas.
" A Aventura do Americano Audaz": Holmes, através de Watson, é quem demonstra as personalidades de cada um e sua relação com o caso em questão. É preciso uma leitura atenta para que se entenda e decifre o motivo para o "crime".
"A Carne é Fraca": A melhor construção das personalidades dos contos aqui citados. A narração feita por três pessoas diferentes, cada uma com seus interesses e visões pessoais, não possibilita ao leitor que as entenda com clareza a princípio.
"Agulha de Calcário": A personalidade das personagens, aqui, é mais utilizada para identificar os narradores e suas percepções de mundo... Não tem uma participação efetiva no enredo.
"Um Dos Nossos": As personalidades aqui são bem marcantes, construídas e definidas desde o começo. Assim, ao desenrolar dos fatos e da investigação, o leitor, através das personalidades conhecidas, consegue acompanhar a linha de raciocínio e elaborar teses próprias.
"A Moeda de Dionísio": As personagens são um pouco mais intimistas neste romance, embora ainda haja um traço de objetividade e imparcialidade nas ações e descrições das mesmas.


Coerência entre espaço, tempo e personagens
Em todos os contos, a coerência é presente; o que se altera é a participação de cada um dos elementos (espaço, tempo e personagens) nos enredos de acordo com os focos narrativos.


Enredo
"As Muralhas Verdes": Narrado em primeira pessoa, não deixa transparecer as deduções do investigador; traz ao leitor a possibilidade de pensar por si próprio nas motivações e na possível arma do assassinato "sem provas".
"A Conspiração dos Relógios": Narrado em primeira pessoa, tem um enredo um pouco mais subjetivo que o primeiro, além de uma linha mais fantasiosa na investigação.
" A Aventura do Americano Audaz": É um enredo muito próximo das narrativas de Watson, escritas por Arthur Conan Doyle. Diferem-se, apenas, nos termos utilizados (há uma notável alteração no linguajar da época, embora isto não altere o enredo de forma significativa). É narrado em primeira pessoa.
"A Carne é Fraca": Possui três narradores, todos eles em primeira pessoa. Não permite ao leitor ter uma visão clara dos mocinhos e dos vilões deste conto, induzindo-o a tirar suas próprias conclusões (e se surpreender no final).
"Agulha de Calcário": É uma história interessante, embora não tão focado no crime em si. Possui três narradores oniscientes, mas a dedução do crime independe destes.
"Um Dos Nossos": Um enredo intrigante. Não é possível, em um primeiro momento, determinar as causas do crime; assim, o leitor tem de se apegar às deduções dos investigadores e começar a montar as suas próprias; parecido com "A Carne é Fraca", mas tem uma linha de narrativa impessoal (narrado em 3ª pessoa).
"A Moeda de Dionísio": Um enredo bem clássico e interessante: um suspense velado que ronda o leitor...


Capa
A capa é simplesmente incrível. Com boa ilustração, remete a um estilo de composição mais antigo e comum aos nossos antepassados, algo "popular", mas não menos belo. A contra-capa também é de tirar o fôlego: com uma estruturação que remete a um disco de músicas, aos anos de glória dos LPs.

Sinopse
Cumpre com perfeição o seu papel, já que este livro não tem apenas um enredo; os contos não podem ser resumidos a uma linha somente. Cada um merece uma descrição de si (como se verifica na contra-capa).

Estrutura física
O tamanho é propício ao tamanho das narrativas, permitindo a leitura dos contos em qualquer local. As ilustrações são muito bonitas e condizentes com os enredos, e os cartazes por entre as histórias remetem aos "tempos de glória" supracitados. O único que pode se tornar um problema é o conto "A Conspiração dos Relógios", que tem a marca mais tradicional do linguajar português e que pode confundir o leitor desavisado nestas construções típicas do falante da região.

Gostou da obra?
ADOREI! Logo de cara, me apaixonei pela capa e pela contra-capa. São realmente incríveis e muito mais bonitas de perto! A arte de capa até simulou a ação do tempo sobre o material.
As histórias são muito boas! As que mais gostei foram "As Muralhas Verdes" e "A Carne é Fraca". São contos eletrizantes e bem interessantes! "A Carne é Fraca" me deixou encucada por mais de uma semana...
Percebe-se que é uma obra organizada com a proposta da qualidade ao invés da vendabilidade.

Avaliação
- Enredo: 10
- Capa: 10
- Caracterização das personagens e entrosamento entre as mesmas: 10
- Caracterização do tempo e espaço e coerência entre os mesmos: 9
- Aspectos gramaticais: 10
- Sinopse: 9
- Estrutura física: 10

Nota: 9,7


Recomendações
A todos! São contos que, com certeza, valem o investimento (R$25 no site da Editora), pois primam pela qualidade técnica e editorial (é só notar quantas pessoas de competência foram envolvidas no projeto).





Muito obrigada à Não Editora pela parceria e envio deste excelente livro!

Share this:

COMENTÁRIOS

5 comentários:

  1. Nunca li nenhum mistério de Holmes..eu sou fã de mistérios.espero poder ler um dia. No enredo vc disse que as vezes não da pra transparecer as deduções do investigador, isso é bom tabm pq assim tem mais surpresa no fim, mas tbm é legal saber se vc ta pensando da mesma forma do narrador..

    Parece bem legal..Como disse, espero poder lê-lo um dia!

    Beijos ^^
    Ensaios de uma Leitura

    ResponderExcluir
  2. Boa resenha!
    Pena que não sou muito fã de contos.
    Bjs, gabi

    ResponderExcluir
  3. Legal, vai para a lista!
    Bjus, Maria.

    ResponderExcluir
  4. O único livro de contos que li foi Amor Vampiro e foi uma experiência meio chatinha. Vou dar um tempo em livros de contos por enquanto.
    Bjos, Carol.

    ResponderExcluir
  5. Ainda não li nenhum livro de contos apesar de ter muita vontade e nem ilustrados. Gosto muito de livros de misterio, crimes. É muito dificil eu comprar um livro direto no site da editora. A capa e bem bonita mesmo,

    ResponderExcluir