RESENHA: Inutaoshi - A Presa do Lobo (R.A.M.P)


INUTAOSHI - A Presa do Lobo
Autor: R.A.M.P
Editora: Clube dos Autores
Ano: 2011
Páginas: 287
Página no Skoob

ADQUIRA!


Sinopse (R.A.M.P): Durante três anos investi meu tempo e dedicação para a conclusão de um projeto pessoal, até finalmente completar um romance baseado em uma longa pesquisa sobre a civilização medieval japonesa, contextualizado no século XI. Durante minhas pesquisas, encontrei dados históricos sobre alguns personagens com grande força no folclore japonês e decidi utilizá-los misturando suas façanhas com personagens e fatos fictícios, atitude abordada por vários autores premiados que admiro e, para mim, são referências, como: Bernard Cornwell, Conn Iggulden, Willian Napier e Steven Pressfield, dentre tantos outros. Procurando enriquecer o livro, traços da cultura japonesa, que tanto se contrasta com a nossa cultura ocidental, foram utilizados. Nesse mesmo intuito, um glossário com termos japoneses e uma rica nota histórica também estão inclusos. A nossa aventura se encontra no início do shogunato de Kamakura, a conturbada era medieval japonesa. – A escolha do período Kamakura aconteceu porque nessa época sucedeu a consolidação da política dos samurais e também porque nessa época viveu um dos mais famosos heróis da história nipônica: Minamoto no Yoshitsune. – Após perder toda a sua família de uma forma trágica, Enokami vê sua vida se transformar drasticamente e só encontra na vingança um meio de seguir em frente. Seu inimigo é Yoritomo, chefe do Clã Minamoto e um dos líderes mais poderosos do Japão Medieval. Uma rixa de sangue que só terminará com o julgamento das suas espadas. Às vezes os fatos históricos são bem mais impressionantes do que a ficção. Durante séculos, em locais e épocas diferentes, grandes guerreiros cometeram atos de bravura e os seus nomes se imortalizaram na história, resistindo ao tempo. Sem querer me alongar nesse texto introdutório, termino minhas palavras e espero que a sua leitura possa ser tão prazerosa quanto foi a minha experiência em escrevê-la. “O destino é inexorável!



Introdução
O livro relata uma época do Japão Feudal, mais precisamente no início do shogunato de Kamakura, pertencente ao Período Kamakura (1185-1333). Em destaque, os personagens Enokami e Ushiwaka-maru (presente na história japonesa) em sua empreitada até a cidade de Kamakura, sede da organização do clã Minamoto. Lá, eles pretendem encontrar Minamoto Yoritomo, cada qual com seus motivos pessoais.

Capa
Foi um pouco estranha a princípio por não ser acostumada à cultura japonesa, mas creio que um dos desenhos que compõem o livro seriam a decisão mais acertada para a capa da publicação. A imagem do artefato, embora muito característica da cultura japonesa, não constitui um fator de atração para a leitura. Talvez uma remodelagem da mesma mudasse tal fato.

Estrutura
É narrado de forma encorpada ora em 1ª pessoa (através dos olhos de Enokami), ora em 3ª (cenas de Ushiwaka) em linguagem épica diferente da europeia, mas não menos carregada de honra e princípios. A descrição dos ambientes, cultura e arquitetura pertencentes ao Japão da época são fiéis à pesquisa histórica realizada pelo autor. Possui glossário, mantendo os termos originais da língua japonesa, e desenhos (muito bem feitos) que auxiliam o leitor a viajar até o tempo da narrativa.

Análise
É muito bem escrito. A mistura de fatos lendários, históricos e ficcionais o transforma em uma leitura agradável com informação. Os ambiente são curiosos, as personagens são profundas e totalmente fiéis ao espaço em que se encontram. Há também um leve toque de subjetivismo nas ações das personagens, o que lhes transforma em seres humanos comuns, apenas envoltos em suas missões e experiências (muitas vezes trágicas) de vida.
Os guerreiros são samurais bem descritos. Enokami se destaca por sua profundidade psicológica devido aos fatos que se sucedem. Seu armamento e suas técnicas não são fantásticas, apenas aperfeiçoadas com constantes treinos. Já Ushiwaka é um guerreiro exímio, embora cego pela oportunidade de se encontrar com seu meio-irmão e fazer valer sua descendência samurai, sentimento aflorado pela idade.
Minamoto representa o típico governante: sentado em seu palácio, sem aprimorar suas técnicas, tendo seus desejos realizados por outros.
(SPOILER)O final poderia ter sido mais desenvolvido, com a adição, por exemplo, de um gancho para a continuação da história.

Nota da Leitora: Foi uma leitura extremamente rápida e deliciosa. No começo, confesso que fiquei um tanto perdida, pois, apesar de adorar história e culturas, a japonesa não é meu forte e todos os meus (poucos) conhecimentos acerca desta vêm de filmes sobre a mesma, quase todos sobre gueixas (o que não é o caso do livro). Fiquei interessadíssima pela história, lendo-a sempre que podia. Os desenhos me maravilharam: nada muito fantástico, fiéis aos acontecimentos. A armadura de Enokami me encantou e, apesar de todo o caos emocional que o mesmo carrega, seria excelente estar na pele dele. Um livro que me surpreendeu e faz com que o eleja como um dos dez melhores nacionais dos últimos tempos que já li.

Avaliação:
- Nota de Capa: 9
- Nota de Enredo: 10
- Nota de Coerência e Coesão: 10
- Nota de Gramática: 10
- Nota de caracterização das personagens e ambientação da história: 10
- Nota do Final: 9

Nota: 9,6


Recomendações
A todos, sem exceção. Todos os elementos da história cabem aos mais diversos adeptos: a obra contém cenas de amor, ternura, guerra, moral, história e cultura.

O Autor
Robson André Mendes Pacheco é um jovem escritor de 27 anos. Nasceu na cidade de Natal/RN e a sua paixão por romances históricos o incentivou a estudar sobre a civilização medieval japonesa e a escrever seu primeiro romance: Inutaoshi - A Presa do Lobo (Finalista no Prêmio SESC de Literatura de 2009).

Book Trailer:





Share this:

COMENTÁRIOS

7 comentários:

  1. Li apenas um livro sobre a cultura japonesa, chamado Xogum...

    Gostei da sua resenha, vou anotar o nome do livro...

    ResponderExcluir
  2. parabens e continue escrevendo
    vc escreve muito bem sabia?
    meu amor tb escreve legal e incentivo muito ele tb a participar de concursos e tudo o mais
    não pare!!

    segue meu blog tb

    beijins viu

    http://dicasdaafrodite.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pela visita no meu blog. Estou aqui para retribuir e faço questão de elogiar o seu. Gostei muito. Voltarei sempre que puder.
    Abraços,
    BiaBloom

    http://invernodasflores.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana!
    Sem dúvidas parece ser interessante, até mesmo pelo que você disse, por ser uma linguagem diferente e por ter fatos lendários..Não sei se eu compraria para ler, mas caso o tivesse em mão eu o leria.

    Te indiquei selinho do Orgulho Nerd
    http://ensaiosdeumaleitura.blogspot.com/2011/06/memeselinhos-recebidos.html

    Beijos ^^

    ResponderExcluir
  5. Acredita que eu sou descendente de japoneses (por parte de mãe) mas não me interesso pela cultura??
    o.O
    Nossa, é super difícil eu ler e ver coisas orientais. Tô interessada no livro "Memórias de uma gueixa", tennho aqui mas ainda tá na fila de espera de leituras... hehehe!

    Não ia ter paciência pra ler sobre o Japão, feudalismo e tal.. :x

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Oi!!
    Eu gosto de cultura japonesa, até estudo o idioma, mas não gosto muito de livros relacionados ao Japão feudal...
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Muito obrigado pelos elogios!

    Encontrei outra resenha desse livro:

    http://www.blogcriandotestralios.com/?p=9909

    Abraços

    RAMP

    ResponderExcluir