[Lançamento] Parentonomics - Joshua Gans

Lançamento de Março

Livro mostra como princípios da economia podem ser eficientes quando aplicadas na educação dos filhos

Sucesso na China, Japão e Coréia, obra de Joshua Gans compara o processo de criação dos filhos a uma constante negociação onde os incentivos são essenciais

Parentonomics - A criação dos filhos de maneira criativa e divertida na visão de um papai economista
Joshua Gans
216 Páginas; Preço: R$ 37,00
Capa: Brochura; Formato: 16,0 cm x 23,0 cm
Editora Cultrix, 2011
http://www.pensamento-cultrix.com.br/

Estatí sticas, incentivos, demandas são terminologias naturais no mundo dos negócios. Mas, como se comportar quando tais termos ultrapassam a esfera da economia e invadem o ambiente da criação dos filhos, por exemplo? É justamente essa a proposta de Parentonomics, novo livro da Editora Cultrix que chega às livrarias em março.

Na obra, o americano Joshua Gans alia a bagagem acumulada como consultor de economia e professor de Gestão da Escola de Negócios da University of Melbourne, às experiências vivenciadas na criação de seus três filhos. O resultado é uma visão crítica e bem humorada da paternidade sob o ponto de vista de um profissional de economia e a ideia de que é possível aplicar, com êxito, lições de gerenciamento econômico na complexa tarefa de educar filhos.

Para o autor, o processo de criação se assemelha bastante à uma negociação, mas a ideia não é envolver os custos monetários e sim, apresentar alternativas de como negociar com as crianças acerca da comida, do déficit do sono, da higienização diária, entre outros temas.

Dividida em sete capítulos, Parentonomics se inicia com um breve comentário sobre o planejamento da chegada dos bebês. O autor avalia como os incentivos dados em países como Estados Unidos às famílias, para que elas antecipem os partos de um ano fiscal para o ano anterior, refletem diretamente na vida dos futuros pais.

A teoria na prática
Gans faz uma avaliação a partir do processo de adaptação dos bebês ao mundo, nos primeiros dias de vida: “A cada meia hora, os recém-nascidos têm a oportunidade de abrir negociações com seus pais. Um dos objetivos de avaliar o cenário por este ponto de vista é justamente fazer com que para a criança, a oferta não valha a pena” – defende o autor. O economista reconhece que com recém-nascidos, a tática não tem efeito, pois eles ainda estão aprendendo a viver fora do útero, a fazer a digestão, entre outros processos. Mas, como compara a tarefa de educar a uma constante negociação, avalia que os gritos de um bebê, por exemplo, funcionam como uma oferta onde o que está em jogo é a atenção, ou seja, a ideia seria: “eu paro de gritar se vocês me derem atenção”.

Um dos exemplos é aplicado à hora do sono. Para o autor, as chances de sucesso nas negociações com o déficit do sono são maiores quando os pais não dão às crianças recompensas por despertar, ou seja, o ideal seria não carregar a criança no colo, da mesma forma que a luz não deve ser acesa e certamente a alimentação não deve entrar em jogo. “É natural que nas primeiras vezes o bebê fique confuso e grite, mas é importante ajeitar as coisas de tal forma que o bebê fique no berço” – comenta.

Outro ponto que remete aos macetes econômicos refere-se à bagunça. Para administrar os problemas provocados pela bagunça das crianças, o autor aplicou no próprio lar ferramentas da macroeconomia. De acordo com Gans, na macroeconomia, é fundamental administrar o ciclo econômico, composto por flutuações constantes: “Em alguns anos a economia está em recessão e em outros, prospera. O mesmo acontece com a bagunça, que não é uma constante. Ela cresce e diminui. A questão não são as peças que compõem a bagunça, mas seu volume total em um dado momento” – comenta o economista. A meta, segundo o autor, é diminuir os momentos de crise, quando há uma oferta excessiva de bagunça e expandir a extensão das coisas positivas.

Leitura interessante com boa dose de humor, Parentonomics oferece uma perspectiva inusitada para aplicar na criação dos filhos que, segundo o autor, mostrou-se muito assertiva em certos momentos como, por exemplo, incentivar as crianças a comer de maneira saudável e em outros, nem tanto como as experiências dos pequenos com a utilização do vaso sanitário.

Sobre o autor
Joshua Gans é professor de gestão da escola de negócios da University of Melbourne. Autor de vários livros de economia, ganhou o prêmio Jovem Economista 2007, atribuído ao melhor economista com menos de 40 anos a trabalhar na Austrália. É diretor da CoRE Research, empresa de consultoria econômica e pai de três filhos.

Share this:

COMENTÁRIOS

1 comentários:

  1. OI AMIGA.
    O MEU BLOG FLOR DE LÓTUS ACABOU, EU FIQUEI SÓ COM O AMOR IMORTAL. ME SEGUE POR LÁ AGORA PARA NÃO PERDERMOS O CONTATO.
    BEIJOS

    ResponderExcluir